Essa é uma revisão anterior do documento!


No dia 09/02, o Ninho recebeu Jon 'Maddog' Hall para um workshop sobre oportunidades de empreendedorismo tecnológico em Ubatuba. Maddog é internacionalmente conhecido como diretor da Linux International e do Linux Professional Institute (LPI). Ele também criou e dirige o Projeto Cauã, e foi para debater sobre a implantação de um piloto do projeto em Ubatuba que organizamos o workshop.

Explicando de maneira resumida, o Projeto Cauã propõe a estruturação de um modelo de negócios que permite que estudantes de TI possam prestar serviços para pequenas e médias empresas, e com a receita obtida bancar os custos de seus estudos. Maddog parte da percepção de que esses jovens já costumam prestar esse tipo de serviço para parentes e amigos, mas justamente por isso têm dificuldade em cobrar e assim transformar essa atuação em negócios que se sustentem.

No âmbito do Projeto Cauã, os estudantes contam com alguns modelos simplificados de contrato, material de divulgação e soluções para formalização e contabilidade. Têm ainda o apoio de uma rede de mentores experientes, que os ajudam a solucionar problemas mais complexos, estruturar negócios e desenvolver outros serviços.

Antes de vir a Ubatuba, Maddog esteve na Campus Party em São Paulo, onde apresentou o Projeto Cauã e anunciou a realização de um piloto em Ubatuba. Ele já havia vindo à cidade no ano passado para o Ubatux, evento de tecnologias livres organizado por um grupo local intermediado por Cesar Brod, diretor regional para o Brasil do LPI.

No dia do workshop, fiz (eu, efeefe) uma breve apresentação do Ninho e da reformulação do Ubalab. Em seguida, Cesar Brod falou brevemente sobre seu papel no LPI e passou a palavra a Maddog. Cesar também ficou responsável pela tradução sequencial entre o inglês do convidado e o português para o público.

O Ninho estava praticamente cheio. Não sobraram cadeiras. A fala de Maddog foi dividida em dois momentos. No primeiro, contou sobre a concepção e a estrutura pensada para o Projeto Cauã. Segredou que já existem conversas entre o projeto e a administração municipal de Ubatuba. Convocou os estudantes e jovens presentes a se candidatarem como Profissionais do Projeto Cauã; e os desenvolvedores e outros técnicos a participarem como mentores. Em um segundo momento, Maddog apresentou o equipamento que está desenvolvendo em parceria com o LSI-TEC da USP, e a chinesa Le Maker: um computador singleboard chamado Guitar. A projeção é viabilizar a produção desses equipamentos no Brasil. Eles poderiam se tornar a base para diversos serviços inovadores, baseados em software livre, que seriam inclusive mais uma oportunidade de atuação para os jovens participantes do Projeto Cauã.

A conversa foi interessante, e parece ter bastante potencial para desenvolvimento em Ubatuba. Existem algumas adaptações importantes a se fazer no projeto, mas de todo modo a intenção já é meio caminho andado. O projeto em Ubatuba deve começar em breve. Estou convidando os integrantes a apresentarem o projeto no seminário final do projeto Ciência Aberta Ubatuba, que acontece nos dias 16 e 17 de março (mais detalhes serão publicados oportunamente no site http://cienciaaberta.ubatuba.cc).