Diferenças

Aqui você vê as diferenças entre duas revisões dessa página.

Link para esta página de comparações

Ambos lados da revisão anterior Revisão anterior
Próxima revisão
Revisão anterior
transformatorio:labirintotransformatorionotas [2016/06/27 00:28]
efeefe
transformatorio:labirintotransformatorionotas [2016/06/28 01:16] (atual)
efeefe
Linha 1: Linha 1:
-[[Transformatorio]] > [[Encontros]] > LabirintoTransformatorio+[[Transformatorio]] > [[Encontros]] > LabirintoTransformatorios
  
 Anotações feitas, por enquanto, por: Anotações feitas, por enquanto, por:
Linha 97: Linha 97:
 Tenho um makerspace na baixada, criado por iniciativa própria ano passado. Criaqui. Formação científica. Eu comando com dois filhos, somos engenheiros. Eu dou aula desde que me conheço por gente. Me preocupo: existe uma coisa nos makers, labs, spaces, o aspecto educacional. Como entra o aspecto educacional nesse processo todo de uma maneira significativa?​ Eu dou treinamento para pessoas de 15, 20 anos de profissão, que sabem muito, mas não têm uma formação científica mínima. Sabem trabalhar um torno. Quando descobre que a ferramenta que corta, o processo já tempera o material porque esquenta - nunca tinha entendido por que a geometria da ferramenta é aquela. Trabalhando com mais jovens, a minha preocupação de passar é essa. O menino na favela que conserta tomadas - vai ser bom ele entender por que tem dois polos, por que do formato, fio, etc. Isso transforma de uma maneira profunda, educacional,​ criativa. Minha experiência - quando eu estudei, o ensino fundamental e médio era profissionalizante. Marcenaria, ​ eletrotécnica,​ etc. Fazer um processo maker sem o viés da educação a gente fica meio perdido. Minha experiência,​ se for só pra usar máquina, vai fazer outra coisa. Tenho um makerspace na baixada, criado por iniciativa própria ano passado. Criaqui. Formação científica. Eu comando com dois filhos, somos engenheiros. Eu dou aula desde que me conheço por gente. Me preocupo: existe uma coisa nos makers, labs, spaces, o aspecto educacional. Como entra o aspecto educacional nesse processo todo de uma maneira significativa?​ Eu dou treinamento para pessoas de 15, 20 anos de profissão, que sabem muito, mas não têm uma formação científica mínima. Sabem trabalhar um torno. Quando descobre que a ferramenta que corta, o processo já tempera o material porque esquenta - nunca tinha entendido por que a geometria da ferramenta é aquela. Trabalhando com mais jovens, a minha preocupação de passar é essa. O menino na favela que conserta tomadas - vai ser bom ele entender por que tem dois polos, por que do formato, fio, etc. Isso transforma de uma maneira profunda, educacional,​ criativa. Minha experiência - quando eu estudei, o ensino fundamental e médio era profissionalizante. Marcenaria, ​ eletrotécnica,​ etc. Fazer um processo maker sem o viés da educação a gente fica meio perdido. Minha experiência,​ se for só pra usar máquina, vai fazer outra coisa.
  
-//(Parei de anotar)// [efeefe]+//(Parei de anotar ​e caí no debate)// [efeefe]